Grupo 3 – Vitória – Líder Etapa 4


Etapa 4 do Projeto de informatização

 

Serviços Inovadores em Portais WEB


Dois exemplos de serviços/funcionalidades inovadores em Portais na Web


Lorean (http://www.lorean.com.br/)


Conceito: O Lorean é um software de gerenciamento de casas noturnas e bares. Seu site é integrado com o Facebook, e conta com aplicativo para sistemas IOS e Android.

A justificativa de escolha desse site, é a multiplicidade de opções que o mesmo disponibiliza para gerenciamento de uma balada, casa noturna ou bar, e várias de suas funcionalidades podem ser adaptadas para uma Unidade de Informação.

Através de cadastro simples no Site, é possível inserir nome nas listas, controlar o pagamento da comanda (pré e pós-pago), comprar ingressos, fazer “Check-in”, agilidade para entrar e sair através da Biometria, e ainda conta com versão Mobile.

Adaptando para uma U.I. poderia ser utilizado os sistemas de pagamento de multas on-line, agilidade no empréstimo de livros através da Biometria, entre outras.

LOREAN


Museu Virtual de Brasília (http://www.museuvirtualbrasilia.org.br/PT/)


Conceito: No Museu Virtual de Brasília é possível visitar lugares importantes e pontos turísticos de Brasília, através de um Tour Virtual de 360º com interatividade do usuário.

A justificativa de escolha desse site, é a possibilidade do internauta conhecer o lugar sem a necessidade de visita física ao local. Não chega à ser algo inovador, pois algumas bibliotecas já fazem uso dessa tecnologia em seus sites, como por exemplo a Biblioteca da King’s College de Cambridge no Reino Unido.(http://www.kings.cam.ac.uk/library/virtual-tour/)

No Brasil porém, não é comum esse tipo de interação e visita 360º nos sites das Bibliotecas, portanto, seria interessante implementar essa funcionalidade em seu site.

MUSEU BRASÍLIACambridge


Avaliação dos Grupos da Disciplina


  • 10 Atividades individuais (Até 08 jun 2016);
  • 3 postagens de Líder do Grupo;

    1 critério quantitativo;
    Número de Postagens

    4 critérios quanti-quali (subjetivo);
    Criatividade
    Identidade Visual
    Síntese, Clareza e Objetividade
    Apresentação Oral

    Foi levado em consideração Postagens categorizadas (Grupo 1, Grupo 2, etc.). Postagens sem categoria NÃO entraram na contagem.

Grupo 1Grupo 1 - 2


Grupo 2Grupo 2 - 2


Grupo 4 Grupo 4 - 2


Grupo 5 Grupo 5 - 2

Grupo 6 Grupo 6 - 2


Considerações aos Grupos

De maneira geral, todos os grupos e indivíduos tiveram grande evolução nas Atividades e postagens no Blog da Disciplina.

A rotina e prática semanal de mexer nas ferramentas do WordPress, além da compreensão dos temas propostos, foram o viés que motivou grande parte dos alunos a realizar postagens mais sofisticadas, com mais recursos gráficos e visuais e obedecendo os padrões e regras pré-estabelecidas pelo professor.

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere à atividade 3 – Etapa 4 – do dia 15 de junho.

FERRAMENTAS COLABORATIVAS

G_fba869a08fac036
Fonte: ATA NEWS, 2015

As ferramentas colaborativas são softwares que auxiliam no desenvolvimento de tarefas realizadas por um grupo, o qual busca, por meio do trabalho coletivo, cumprir um projeto ou um objetivo em comum (PROFESSOR RICARDO, 2012). Estas ferramentas podem auxiliar muito em Unidades de Informação como forma de compartilhamento, um contato maior e mais dinâmico com o usuário,   e principalmente a disseminação da informação, está que é a principal função e papel da classe.

A biblioteca Jurídica é uma Unidade de Informação que pode ser pioneira em utilizar uma destas ferramentas colaborativas: o Fórum de discussões.

forum1
Fonte: RANDOL FOREGLY, 2013

 

(…) o fórum pode ser definido como um espaço de discussões em torno de temas propostos por seus participantes. Neste aspecto, o fórum parece ser o instrumento mais adequado para o aprofundamento reflexivo dos usuários do ambiente mencionado (OLIVEIRA, [20–]). Assim, o fórum pode se tornar um serviço inovador na biblioteca jurídica que utiliza o Sistema Pergamum, pois este não possui nenhum serviço de discussão, como diz Guilhen, Torino e Tavares (2013 p. 1) “O tema inovação não deve ser entendido como novidade e sim uma necessidade para as bibliotecas de instituições públicas (…)” sendo que o fórum não se trata de uma novidade, mas quando aplicada a uma realidade pouco aplicada se torna algo inovador.

forums-buttonEste Fórum servirá para discussões, dúvidas e compartilhamentos entre os usuários, as editoras e os bibliotecários, servindo como canal para opiniões, lincando também redes sociais e videos onde as editoras poderão estar apresentado as novidades da área jurídica

Deste modo a ideia seria  criar um novo ícone no Meu Pargamum para o Fórum, onde para participar desta  ferramenta é necessário que o usuário esteja cadastrado na Unidade de Informação. O usuário poderá entrar em fóruns, neste primeiro momento, com bibliotecário e editora, assistir videos de novidades e se conectar nas redes sociais da Instituição, a pagina proposta ficará como a representada na imagem a seguir:

FONTE: o autor.
FONTE: o autor.

REFERÊNCIAS:

FOREGLY, Randol. Ambiente de aprendizado e tutoria. Curso de Formação em EAD com Ênfase em Tutoria CEDERJ – Tutoria 2013. Disponível em: <http://randolforegly.blogspot.com.br/2013_06_01_archive.html> Acesso em: 22 jun. 2016.

NEWS, Ata. Fórum lança programa para desmistificar 25 crenças sobre redes sociais. 2015 Disponível em: <http://www.atanews.com.br/materias/3-noticias/3470-forum-lanca-programa-para-desmistificar-25-crencas-sobre-redes-sociais/> Acesso em: 22 jun. 2016.

OLIVEIRA, Gerson Pastre de. O fórum em um ambiente virtual de aprendizado colaborativo. [20–] Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/267714580_O_FORUM_EM_UM_AMBIENTE_VIRTUAL_DE_APRENDIZADO_COLABORATIVO&gt; Acesso em: 22 jun. 2016.

RICARDO, Professor. Ferramentas colaborativas. 2012. Disponível em: <http://rialez.blogspot.com.br/2012/03/ferramentas-colaborativas.html&gt; Acesso em: 22 jun. 2016.

 

 

 

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere à atividade 2 da Etapa 4 – 08/06

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Crimes_pela_internet_Foras_da_lei_do_ciberespaço3-495x412
Fonte: http://www.blogbahiageral.com.br/site/politica/2012/11/internet-senado-aprova-projeto-de-crimes-ciberneticos

Os Crimes Cibernéticos vem se expandindo em grande escala no Brasil, esta assunto vem sendo constante pesquisado na  Biblioteca Jurídica, por isto  viemos  por meio deste informativo apresentar o artigo: Crimes Cibernéticos: uma nova modalidade criminosa? Publicado pela Revista Jurídica do Ministério Público do Estado do Tocantins, que serve para que o MPSC venha analisar como vem trabalhando a conscientização da sociedade e de seus membros, pois não estamos livre de sermos atacados, e como podemos esclarecer e conscientizar nossa comunidade?

Segundo Silva (2009, p. 38) o Ciberespaço pode ser entendido como “Um espaço virtual por não existir no plano físico” e o crime “uma conduta delituosa prevista na legislação e associada a uma pena”, assim podemos definir o crime cibernético como “aquele cometido por uma rede de computadores, ou stricto senso, que utiliza a Internet como meio” (p. 42)

Abaixo listamos alguns dos principais crimes cometidos nos ciberespaços e suas penas:

Pedofilia: “Troca de informações e comercialização de materiais contendo imagens de menores com teor sexual…. trata-se de crime cibernético impuro” Pena de 2 a 6 anos de reclusão e multa.

Fraudes eletrônicas: “tem como principal alvo as Instituições financeiras….citamos o phishing, envio de mensagem eletrônica falsos, em que se tenta forçar a vitima a fornecer dados sensíveis como números de cartões de créditos, dados de contas bancarias, senhas e etc. ” Pena dependendo o tipo penal a reclusão varia de 1 a 8 anos mais multa.

Assim torna-se importante o investimento em segurança da informação para que crimes como os citados acima e ainda crimes contra honra, ameaças, pirataria e plágios sejam detectados e punidos, sendo que a legislação prever em nossa constituição. Estamos a Disposição da comunidade e membros para discussões  e  e desenvolvimento de ações.

BIOMETRIA E CRIPTOGRAFIA 

biometria-facial-1440x564_c

As políticas de segurança devem ser prioridades dentro de uma unidade de informação, tendo sempre o apoio da lata gerencia. Os padrões de segurança são utilizados no âmbito internacional e as leis e normas são estabelecidas em caráter nacional (UEMG, [2013]).

A política de segurança deve ter enfoque nos controles de acesso lógico, físico e ambiental, além de controles administrativos.

A criptografia e Biometria devem estar presentar na Política de Segurança de uma unidade de informação, fazendo parte das medidas de segurança, constam na politica a ser desenvolvida.

Medidas

seguranca_fisica
Fonte: o autor
seguranca_logica
Fonte: o autor

REFERÊNCIAS:

FREITAS, Eduardo Antônio Mello. Gestão de riscos aplicada a sistemas de informação: Segurança estratégica da informação. 2009. 72 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Estratégica e Qualidade) – Programa de Pós-Graduação “Lato Sensu” em Gestão Estratégica e Qualidade, Universidade Cândido Mendes, Brasília, 2009.

PINHEIRO, José Maurício. Auditoria e análise de segurança da informação: Segurança física e lógica, Centro Universitário Geraldo Di Biase (UGB), 2009, 18 f. Disponível em:  <http://www.projetoderedes.com.br/aulas/ugb_auditoria_e_analise/ugb_apoio_auditoria_e_analise_de_seguranca_aula_02.pdf&gt; Acesso em: 14 jun. 2016.

SILVA, Manoel Moura da. Crimes cibernéticos : uma nova modalidade criminosa?. Revista Jurídica do Ministério Público do Estado do Tocantins, v. 2, n. 2, p. 35-57.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Sistemas de informação: Segurança e auditoria de sistemas, Ituiutuba, [2013] Disponivel em: <http://www.ituiutaba.uemg.br/sistemas/material/seg_aud_sist/politica_e_controles.pdf&gt; Acesso em: 14 jun. 2016.

 

 

 

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere à atividade 1  – Etapa 4. Dia 01 de junho.

PORTAL WEB DE U.I 

O portal da Biblioteca Jurídica, está preparado para disponibilizar informações para os membros de Instituições Jurídicas, principalmente de Santa Catarina, com Informativos, notícias e novidades de publicações e leis do Direito, dando acesso a videos, Downloads de materiais exclusivos e publicações próprias. O portal foi criado também para que bibliotecários especializados possam compartilhar experiencias como também se relacionar com  a comunidade do Direito. Está preparando ainda para oferecer apoio a pesquisas para estudantes de direito, com chats para conversarem e tirarem dúvidas com os mais renomados profissionais do direito. O portal da Biblioteca Jurídica, assim, reúne em um só espaço interativo e dinâmico tudo o que a comunidade jurídica e bibliotecários precisam saber sobre o mundo  do direito nas mais diversas plataformas.

SOFTWARES DE BIBLIOTECA 

Minibiblio: Organização excelente, apresentando ícones em forma de desenho, que aumentam a forma intuída até mesmo para os mais leigos em informática, essa é a característica que o difere dos demais programas aqui analisados, a catalogação de diferentes materiais.

razoes_minibiblio
Fonte: o autor

BookDB: O programa é simples demais, sem nenhuma interação eestático o que mais incomodou na sua utilização foi o formato da catalogação, que não serve para uma biblioteca pequena que deseja seguir as normas de catalogação.

razoes_bookdb
 Fonte: o autor

Biblioteca Fácil: Demonstrou uma boa primeira impressão a possibilidade emprestar pelo nome do livro ao invés do tombo, algo que não é visto em outros softwares livres, o diferencial deste programa é que é grátis por um período de tempo.

razoes_bibliofacil
Fonte: o autor

BiblioExpress:  A primeira impressão não foi boa, o layout não é agradável, não é intuito, não possui interação, em comparação com os outros 3 este fica para trás, em uma primeira visão é difícil perceber que se trata de um software de automação de biblioteca.

razoes_express
Fonte: o autor

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere à atividade 3 da Etapa 3 do dia 25 de maio.

DIREITOS AUTORAIS E PROPRIEDADES INTELECTUAL NA WEB E UNIDADES DE INFORMAÇÃO 

As leis de proteção intelectual devem ser respeitadas principalmente nas unidades de informação, as provedoras do acesso a informação, para isso as políticas da biblioteca devem estar claras quanto aos direitos autorais na prestação de serviços: copia, distribuição e restrição de materiais na web.

INSTALAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS SOFTWARES BIBLIVRE E PHL

Biblivre

As expectativas ao utilizar o software foram alcançadas. Trata-se de um sistema intuitivo, que está sempre passando mensagens do que está acontecendo, seu layout é agradável. Na sua utilização foram encontrados erros apenas nas impressões (etiquetas e carteirinhas). Seguiu-se os passos necessários para a impressão indo até a escolha das  etiquetas, mas no processo seguinte a janela é fechada e não há nenhuma mensagem informando o que aconteceu, mas depois resolveu-se, o arquivo para impressão estava bloqueado.

Foram efetuadas as seguintes tarefas:

1- Cadastrar 3 usuários:

Marina_cadastroFelipe_cadastroVilnei_cadastro

2- Cadastrar uma obra do tipo Livro:

cadastro_livro

3- Cadastrar um fornecedor:

sirauve_editora

4- Efetuar uma pesquisa:

pesquisa_biblivre

5- Fazer um empréstimo a um dos usuários cadastrados:

emprestimo_marina

6- Gerar carteirinha em pdf para um dos usuários:

carteirinha_usuariosBIBLIVRE_carteirinha_usuario_PDF

7- Fazer uma requisição e uma cotação com o fornecedor:

requisicaocotacao

8- Definir o prazo máximo para a devolução de uma obra e o valor da multa a ser pago em caso de descumprimento:

funcionario_prazo_multaleitores_prazo_multa

9- Emprestar livro a um dos usuários e fazer duas reservas da mesma obra em nome dos outros dois:reserva_felipereserva_felipe_feitareserva_vilnei_feita

A customização do sistema para uma biblioteca especifica, permitindo a configuração com a adição do nome da biblioteca no topo da página é algo que diferencia este Software Livre para o a seguir analisado PHL (Esta opção não foi encontrada no PHL). Foi agradável trabalhar com esse sistema as tarefas foram realizadas sem grandes dificuldades, a recuperação da informação foi satisfatória, para a realização destas tarefas optou-se por trabalhar com uma biblioteca jurídica, dando continuidade aos trabalhos antes realizado com essa especialização, para tanto os usuários são de uma determinada instituição jurídica (fictícia), o livro catalogado também. As mesmas informações de cadastro foram aplicadas no PHL, tendo melhor performa-se no Biblivre.

PHL:

Cadastro:

OBRA:registro_livro_phl.jpg

LEITORES:marina_cadastro_phlvilnei_cadastro_phl.feitofelipe_cadastro_phl

FORNECEDORES:FORNECEDORES.jpg

Circulação:

RESERVA:vilnei_reserva.jpg

EMPRÉSTIMO:emprestimo_marina_phl.jpg

RENOVAÇÃO:RENOVAR.png

DEVOLUÇÃO:marina_devolucao_phl.jpg

EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO:IMPORTAR_BIBLIVRE.jpgEXPORTAR_BIBLIVRE

TOMBO:tombo_phl.jpg

Foi mais complicado a interação com este sistema, a recuperação de cadastros realizadas não foi como esperado. Mas o layout não deixa de ser bom e tem pequenas aplicações que se destacam em relação ao Biblivre: os comprovantes são melhores visualmente e os status das obras com cores em escala de disponível, não disponíveis, reservado, apenas para consulta local traz um diferencial para esse software, se isto fosse adotado pelo Biblivre tornaria o sistema melhor, mesmo o PHD suprimindo as necessidades com as funções básicas para uma automação de bibliotecas.

DIAGRAMA DE ATIVIDADE

A seguir é apresentado o Diagrama de Atividade para uma funcionalidade essencial de uma Biblioteca: o CADASTRO DE USUÁRIOS  (no Biblivre) onde será mostrado o fluxo interno de suas tarefas.

diagrama_atividade_BIBLIVREmelhor visualização diagrama de atividades

 

 

 

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere a atividade 2 da Etapa 3 do dia 18/05/2016.

Atividades e Subtarefas

Software / Aplicações:

TAREFA: CATALOGAÇÃO

Fonte:
Fonte: Manual Pergamum
  1. Logar no Sistema Pergamum;
  2. Entrar em Catalogação;
  3. Pesquisar pelo ISBN;
  4. Abrir planilha;
  5. Preencher o n° de classificação;
  6. Inserir dados da obra;
  7. Salvar os dados;
  8. Atualizar o acervo;
  9. Verificar erros;
  10. Concluir catalogação.

Hardware / Equipamentos:

TAREFA: UTILIZAR O SCANNER PLANETÁRIO

Fonte: blog ainda serei nerd
Fonte: blog ainda serei nerd
  1. Selecionar na tela de idiomas o português;
  2. Aceitar a condição de utilização da marca d’água com direito autorais em cada folha;
  3. Selecionar modo de operação;
  4. Adicionar cesta (recomendado) ou adicionar pen drive inserido previamente;
  5. Tocar no botão “AJUSTES” para configurar a forma de digitalização;
  6. Tocar em “APLICAR”;
  7. Colocar o material com face para cima no centro da base;
  8. tocar em “DIGITALIZAR”;
  9. Visualizar imagem;
  10. Tocar no botão  “CONCLUIR”;

Dados / Armazenamento:

TAREFA: CADASTRAR USUÁRIO

  1. Logar no Sistema Pergamum;
  2. Entrar no módulo Usuário;
  3. Abrir pagina de Cadastro;
  4. Inserir nome da pessoa;
  5. Salvar;
  6. Gerar Código de usuário;
  7. Inserir dados do usuário;
  8. Criar senha de usuário;
  9. gravar senha;
  10. Concluir cadastro.

Recursos Humanos / Atores:

TAREFA: ENSINAR USUÁRIO A UTILIZAR A BIBLIOTECA

  1. Atender pedido de usuário para  visita orientada à biblioteca;
  2. Apresentar-se ao usuário;
  3. Explicar que as  bolsas, pastas e mochilas devem ficar no guarda-volume.
  4. Apresentar a sala de estudos e explicar sua utilização;
  5. Ensinar o usuário a utilizar o catalogo para pesquisa nos terminais de consulta;
  6. Apresentar a composição do acervo;
  7. Fazer cadastro do usuário;
  8. Informar horário de funcionamento;
  9. Informar direitos dos usuário;
  10. Concluir a visitação se o usuário não tiver dúvidas.

Atendimento / Interface com o Usuário:

TAREFA: ACESSAR O “Meu Pergamum” PARA RENOVAÇÃO

  1. Acessar o endereço “www.mpsc.mp.br” para consultar o catálogo on-line de obras da Biblioteca;
  2. Clicar no menu “SERVIÇO” e depois no link “BIBLIOTECA”;
  3. Na tela atual clicar em “CONSULTA AO ACERVO”;
  4. Na tela de consulta clicar no botão “MEU PERGAMU”;
  5. Na janela de autenticação digitar o código de acesso do usuário;
  6. Se o usuário não saber o código deve solicitar na biblioteca;
  7. Aguardar a resposta da biblioteca
  8. se o usuário sabe deve Incluir senha;
  9. Clicar em acessar;
  10. Ir no menu “SERVIÇOS” e clicar na opção empréstimo e em seguida “RENOÇÃO”;
  11. Selecionar as obras desejadas e clicar no botão renovar;
  12. Se a obra estiver em situação regular, renovação concluída;
  13. Se estiver reservada o empréstimo não pode ser renovado;
  14. o usuário poderá : devolver, pegar outro título e/ou reservar outro título na biblioteca;
  15. Concluir serviço.

Acessibilidade:

TAREFA: UTILIZAR IMPRESSORA BRAILE

Fonte: IFSC
  1. Ligar a impressora no botão “ON”;
  2. O sintetizador de voz irá narrar em qual opção o usuário se encontra no “MENU”, o qual deverá ir em “Instalar papel”;
  3. Ir no Software para impressão braile;
  4. Salvar arquivo com extensão txt;
  5. Localizar arquivo com o botão “ADD” para adiciona-ló ao Software;
  6. Selecionar a impressora no campo “EMBOSSER”;
  7. Verificar se a impressora esta no modo ativo;
  8. Selecionar tipo de impressão: Normais em relevo ou braile;
  9. Clicar em “Ok” e esperar a comunicação com o Hardware e impressão;
  10. Desligar a impressora no botão “OFF”.

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

Fonte: o autor
Fonte: o autor

diagrama

REFERENCIA

Grupo 3 – Vitória

Este post se refere à atividade da Etapa 3  para o dia 11 de maio.

Planejamento de testes de usabilidade

O propósito do teste é verificar as funcionalidades do novo Sistema a ser adquirido pela biblioteca Jurídica (fictícia), com relação a operacionalidade, integração do Usuário, no caso os bibliotecários, com o sistema (apreensibilidade do software, facilidade no uso).

    A equipe interna envolvida

1 avaliador “…responsável por tudo que ocorre durante a sessão de teste. Sua função é interagir com o participante, coletar informações, compilar e comunicar o resultado dos testes para a equipe de desenvolvimento. ” (FERREIRA, 2002 p. 14)

1 Registrador do tempo “Pessoa responsável por registrar o tempo gasto nas atividades realizadas no teste.” (FERREIRA, 2002 p. 15) 

3 Observadores para assistirem o teste e dar seus Feedback.

    A configuração do ambiente de teste

Terá a configuração de um escritório simples, contando com 1 mesa de trabalho, 1 computador que opere o sistema Windows, 1 impressora conectada ao computador, uma poltrona, bem como sua lista de tarefas. Logo atrás do participante, no lado direito, terá uma poltrona para o avaliador, que estará fazendo anotações em seu formulário de avaliação. Ao canto esquerdo, fora da visão do participante estarão o registrador de tempo a frente e ao fundo da sala os três observadores sentados em poltronas semelhantes à do avaliador. Para evitar fraudes a sala terá 2 câmeras de monitoramento para comprovação da realização dos testes.

Laboratorio_simples

    Os usuários selecionados

Serão selecionados para esses teste 3 usuários, sendo um de cada setor:

1 bibliotecário atendente (Setor de atendimento e empréstimo)

 1 bibliotecário catalogador (Setor de Processamento Técnico)

Gerente (Gerência de Biblioteca)

      Critérios e métricas de usabilidade

metricas

As funcionalidades escolhidas e como elas deverão ser executadas no sistema

  1. 1-Emprestar Itens: O participante devera emprestar 3 livros em sequência, levando aproximadamente 2 min para concluir a tarefa, que envolve selecionar usuário, achar campo para inserir registro da obra, e acionar botão emprestar, pedir senha e concluir empréstimo.
  1. 2- Adquirir Obra: Serão solicitados em uma lista a aquisição de 5 livros e 3 periódicos, que deverão ser inseridos nos respectivos campos, com informações de preços, ISBN ou ISSN, a tarefa está concluída quando imprimir o comprovante de aquisição. O processo levará cerca de 8 min.
  1. 3- Cadastrar Obra no Acervo: serão solicitados que cadastre os 5 livros e três revistas antes adquiridos, a tarefa envolve preencher o formulário corretamente em menos de 10 minutos para cada obra.
  1. 4- Gerar Carteirinha Usuários: para isso terá que primeiro cadastrar o novo usuário no sistema,  o formulário de cadastramento e a impressão da carteirinha deve levar em torno de 8 min.
  1. 5- Catalogar Obra: serão solicitados a catalogação dos mesmos 5 livros e 3 periódicas para serem catalogados, neste processo espera-se que o participante já tenha entendido a sistemática e organização do sistema e leve menos tempo para encontrar a janela correta para catalogar os materiais, que não encontre problema para inserir os dados e conclua o processo em menos de 8 minutos para cada obra.

REFERÊNCIA

FERREIRA, Kátia Gomes. Teste de usabilidade. 2002. 60 f. Monografia de Final de Curso (Especialização em informática) – Centro de Ciências da Computação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.