Grupo 5 – Rocelle – Líder da Etapa 4

SERVIÇOS INOVADORES EM PORTAIS WEB

FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE SUICÍDIO DO FACEBOOK

facesuicidio

   Fonte: Jornal Montes Claros

        Justifica-se por ser uma ferramenta gratuita e que maior parte dos usuários tem acesso. Portanto, além de oferecer um apoio inicial aos usuários com sintomas depressivos, acaba-se tendo conhecimento sobre o perfil do mesmo e suas necessidades, podendo melhorar o atendimento de todos e trabalhando na inserção e acessibilidade, no qual, muitas questões pessoais ou sobrecarga de estudos, trabalho e responsabilidades do dia a dia podem levar a psicossomatização que poderá acarretar em depressão e levar ao suicídio.

Na atual sociedade, a responsabilidade social reconhecida pelo seu valor cultural e moral, tendo seu princípio ligado a ética, engloba questões que tem muito haver com o papel desenvolvido por profissionais na sociedade. No campo da ciência da informação e da Biblioteconomia, essa responsabilidade também tem haver com as tecnologias da informação que trazem várias mudanças de paradigmas nos espaços políticos, econômicos, sociais e educacionais, que afetam diversos grupos. (FONSECA, 2010)

     

Objetivo

        Criar um serviço de apoio psicológico dentro da própria UI, tanto para usuários quanto para funcionários. Disponibilizar a ferramenta nas máquinas dispostas na Instituição, assim que o usuário utilizar o Facebook e postar algo desconfortável ou ameaçador, o próprio Facebook, poderá notificar a UI trazendo as informações sobre o usuário e seu comportamento, fazendo com que o usuário receba o atendimento devido, pela Instituição.

integrar

TECNOLOGIA DE CONECTIVIDADE SEM FIO DE CURTO ALCANCE NFC

NFC

 Fonte: site NFC

      Melhorar o atendimento e o serviço dentro da UI, diminuindo as filas de devolução, empréstimo e pagamento de multas, trocas de informações e materiais de consulta, melhorar a acessibilidade.

Objetivo

     Agilizar o processo de trabalho e recuperação de informação, tornando o ambiente confortável para o usuário.

Existem dois processos passivos e ativo:

  • Passivo não envolve alimentação elétrica, sendo assim, os objetos recebem etiqueta
  • Ativo envolve dois dispositivos que geram sinal de rádio.

      A princípio seriam colocados chips dentro dos cartões dos usuários e etiquetas em outros dispositivos que não recebem alimentação elétrica, tendo como base a comunicação passiva, permite leitura ou alteração de dados existentes em um dispositivo NFC.

   Em questão da segurança esse modo de operação dificulta consideravelmente a interceptação do sinal, embora não torna essa ação impossível.

  • Vale frisar que o NFC é, até certo ponto, baseado no RFID (Radio-Frequency Identification).
  • Reconhecida pela norma ISO/IEC 18092 em 2003.
  • NFC to Speech é acessível para deficientes visuais. A tag é incorporado na carta. O conteúdo da carta digitalmente é armazenada no tag e seu lugar é marcado em Braille.

NFC.UI

 

REFERENCIA

FONSECA, Juliana Soares da; SOUSA, Hellys Patrícia Morais de; SANTANA, Vanessa Alves. A responsabiblidade social do profissional da informação diante de suas habilidades informacionais. 2010. Disponível em: <https://petbciufscar.files.wordpress.com/2014/03/artigo.pdf&gt;. Acesso em: 20 jun. 2016.

INFOWESTER. O que é NFC (Near Field Communication)? Disponível em: <http://www.infowester.com/nfc.php&gt;. Acesso em: 20 jun. 2016.

LENHARO, Mariana. Facebook lança ferramenta de prevenção do suicídio junto a CVV. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/06/facebook-lanca-ferramenta-de-prevencao-ao-suicidio-junto-ao-cvv.html&gt;. Acesso em: 20 jun. 2016.

ORG, Nfc Forum. NFC em Ação. Disponível em: <http://nfc-forum.org/what-is-nfc/nfc-in-action/&gt;. Acesso em: 21 jun. 2016.

ATIVIDADE DO LÍDER

TABELA1

TABELA

Grupo 5 – Rocelle

Post se referente à atividade para o dia 22 de junho.

 

Integrar ferramentas colaborativas em sistema já existentes  em UI

 

microblog

O Microblog também pode ser usado como ferramenta colaborativa para sistemas de Unidades de Informação como o da biblioteca, por exemplo, a atualização é breve e curta tornando o objetivo e de fácil acesso, no qual, permitira usuários veteranos de um determinado curso a colocar todas as informações destinadas aos calouros do curso, afim, de passarem as informações da Universidade onde estão inseridos e do curso de graduação da qual pertencem, como um manual de instruções apresentando o funcionamento da Universidade seus direitos e deveres e o “mundo acadêmico” com o intuito de atender suas necessidades naquele momento. Dando opção aos graduandos seguintes a disponibilizar materiais das disciplinas, dicas de estudo, resumos, revisão de provas para auxilio dos estudantes do curso. Também poderão ser encontrados e adicionados informativos de eventos, palestras, seminários, congressos, concursos, minicursos, materiais e provas de antigos concursos e até mesmo experiências sobre tal disciplina e a “sobrevivência” na Universidade e entre outros. Serão responsáveis pelo Microblog os próprios alunos, que também farão as atualizações, vale considerar que algumas regras serão consideradas para utilização do mesmo, como um cadastro e senha de acesso.

Serviços inovadores para unidades de informação podem ser gerados com este tipo de ferramenta

 

O MicroBlog pode inovar em um serviço na Unidade de Informação, de forma que fique disponibilizado um link ou ícone do Microblog para acesso no próprio site do curso, no qual, os alunos de um curso especifico poderão acessar para encontrar informações do curso e da Universidade. Um WhatsApp também poderá ser encontrado, para sanar dúvidas dos próprios alunos, onde um bibliotecário ou estagiário dessa Unidade de Informação no caso a biblioteca, poderá responder os questionamentos dos usuários, tendo um prazo para a resposta, e se caso a pergunta for algo simples ou que já fosse feito várias vezes por outros, o sistema do WhatsApp daria a resposta automaticamente ou remeteria a um fórum de questionamentos.

 pc.png

Referencia

 GOOGLE. Chats. Disponível em: <https://www.google.com.br/webhp#q=imagens&gt;. Acesso em: 18 jun. 2016.

GOOGLE. Microblogg. Disponível em: <https://www.google.com.br/webhp#q=imagens&gt;. Acesso em: 18 jun. 2016.

GOOGLE.  Simbolo biblioteconomia. Disponível em: <https://www.google.com.br/webhp#q=imagens&gt;. Acesso em: 18 jun. 2016.

GOOGLE.  Whatsapp. Disponível em: <https://www.google.com.br/webhp#q=imagens&gt;. Acesso em: 18 jun. 2016.

 

Grupo 5 – Rocelle

Atividade Referente ao dia 08/06/2016

 

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

segurança

Fonte: realprotect.net

Para o esclarecimento dos usuários de uma Unidade de Informação sobre Crimes Cibernéticos e Segurança da Informação é necessário primeiramente conhecimento sobre o que são:

Crimes Cibernéticos são caracterizados como atividades ilegais que ocorre no acesso a internet, como ataques a sistemas, computadores domésticos, redes particulares e publicas. Essas atividades ilegais se iniciam através de ataques a internet, com o objetivo de roubo de informações, de falhas no sistema, falhas de softwares, roubos de identidade, privacidade, golpes virtuais entre outros.

Segurança da Informação esta relacionada à segurança de um conjunto de informações com a intenção de proteger o conteúdo valor que essas informações têm.

Com essas informações básicas sobre o conhecimento de Crimes Cibernéticos e Segurança da Informação, a Unidade de Informação criara uma politica seguindo as diretrizes que determinaram como serão seguidas, garantindo os recursos e as informações da organização. Levando em conta que todos os usuários funcionários tenham conhecimento e auxilie no desenvolvimento dessa politica, para se familiarizarem mais com o assunto e assim poderem divulgar aos usuários externos através de palestras e outras atividades de incentivo, também instalação de mecanismos de segurança e pessoal capacitado na Unidade de Informação.

BIOMETRIA E CRIPTOGRAFIA

biometria criptografia

Fonte: tcmundo.com.br

São leitura de imagens características do individuo contidas em uma base de dados que faz a comparação das imagens guardadas no sistema, assegurando os dados e informações pessoais, ou seja, é uma senha gravada por características física da pessoa, podendo ser gravadas da retina ou das digitais.

O sistema biométrico se originou da China no século XIX, para que os comerciantes pudessem confirmar a identidade dos clientes. O sistema é considerado o meio mais seguro que a digitação de senhas, pois evita fraude.

Recentemente foi criado um sistema de reconhecimento da veia que ainda é pouco utilizado, mas considerado um dos sistemas mais difíceis a ser burlado, o biométrico pela digital além de ser mais utilizado é o mais barato. O sistema de reconhecimento da íris também é seguro e muito caro, o reconhecimento facial é menos interessante e muito caro e sujeito a falhas.

Politica  devera ser desenvolvida em cima de todos equipamentos e sistemas que o usuário tenha acesso, deverão os sistemas e computadores protegidos por senha e acesso a usuários, considerando um cadastro antes do acesso ao sistema, com termo de compromisso e responsabilidade de acordo com normas. É necessário capacitação para para utilização do mesmo, fazendo com que o mesmo tenha conhecimento e seja informado, sobre a politica que a organização segue.

Referencia

FOCO, Tudo em. Como funciona o sistema biométrico. 2013. Disponível em: <http://infotecbrasil.com.br/funciona-sistema-biometrico/&gt;. Acesso em: 14 jun. 2016.

UNIÃO, Tribunal de Contas da. Boas práticas em segurança da informação / Tribunal de Contas da União. – 2. ed. 2007. Disponível em: <file:///C:/Users/REGUINALDT/Downloads/TCU – Boas Práticas em Segurança da Informação (2007) (1).pdf>. Acesso em: 15 jun. 2016.

 

Grupo 5 – Rocelle

Post se refere à atividade para o dia 8 de junho.

 

Ideia de Portal Informativo

Primeiro seria feito um mapeamento do publico local e seus interesses,   um levantamento da maior exigência do publico  com esse mapeamento, seria levado em conta às questões de menor exigência, que seriam elaboradas para uma próxima etapa,  focando  questões emergenciais e mais citadas como ponto inicial. Para que fosse viabilizado, contaria com apoio e parceria de outras instituições,  organizações, afim de que todos trabalhassem com objetivo principal que seria esse portal contendo todas as informações, sugestões e esclarecimentos que esse público local necessita e se interessa e também atender as necessidades da própria U.I. e de seus parceiros.

Um exemplo, fazer com que as escolas e as editoras criassem parcerias com a Biblioteca Publica. Disponibilizando seus planejamentos anuais de ensino, e a biblioteca contaria com o serviço das editoras para produção de literatura e bibliografia, para pesquisas dos alunos na biblioteca, ou seja, se o aluno necessitar de material ou alguma informação para pesquisas, ele  se desloca até a biblioteca, se informando através do portal. Desse modo a editora teria seu trabalho divulgado e poderia criar contratos com o município para a elaboração desse trabalho. Para o turismo, esclarecimentos sobre a estrutura entre outras informações, a própria biblioteca forneceria, através desse portal incentivando-as a visitação ao próprio museu, agregando conhecimento e  lá sanando suas próprias dúvidas. Como  marketing do projeto inicial e dos locais os mesmos estariam levando ingressos para teatros ou outros eventos apresentados no portal.

 

MiniBiblioimagem

O MiniBiblio apresenta as opções de Cadastro de usuário, cadastro de livro, empréstimo e devolução, é de fácil acesso, não apresentando a parte de reserva. Trata-se de um software simples de gerenciamento pessoal, não tendo opção de cadastro de fornecedor, cotação e requisição. Permite alteração das configurações gerais também contem manual de informações sendo um software gratuito.

Bookdbimagem

O BookDB é um gerenciador e organizador de bibliotecas não apresentando opção de reserva, sua interface e simples não tem um design muito agradável. Trata-se de um software simples de gerenciamento pessoal, não tendo opção de cadastro de fornecedor, cotação e requisição. Permite alteração da linguagem e fonte. Contem manual de informações em inglês sendo  gratuito.

BibliotecaFacil

A Biblioteca Fácil é uma plataforma com muitas ferramentas, de opção até mesmo para mudar a imagem da interface, é um software “completo”, com muitas oportunidades gera carteirinha, tem manual de instruções. Software pago com utilização experimental gratuita por 50 acessos. Interface intuitiva, histórico das correções e modificações, ultima atualização em março de 2016.

BiblioExpress

O sistema se baseia nas normas de catalogação AACR2, é um sistema para bibliotecas de pequeno porte, apresenta-se em língua inglesa,  desse modo torna mais trabalhoso fazer cadastro de usuários e livros, empréstimos, reservas pela dificuldade de compreensão, manual de consultas em inglês, software gratuito.

Tabela de Funcionalidades Software

TabeladeFuncionalidade

 

 

Razões negativas

dificuldades

Tabela

Razões Positivas

positivo

positivo

 

 

 

Grupo 5 – Rocelle

Publicação referente a Atividade para o dia 1º de Junho de 2016.

direitoseideias

Foto: Guia Prático do Manual de Propriedade Intelectual da Unesp

Como os Direitos Autorais e a Propriedade Intelectual na WEB impactam no planejamento de uma Unidade de Informação

Os Direitos Autorais e a Propriedade Intelectual na WEB podem impactam no planejamento de uma Unidade de Informação, na utilização de software online, compatibilidade de sistemas e também no desenvolvimento de pesquisas e disponibilidades do acesso.

Exemplos de políticas que uma U.I. deveria implementar para lidar com estas questões.

  • Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências

  • Lei n º 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos á inovação e a pesquisa cientifica e tecnológica no ambiente produtivo e da outras providências.
  • A politica  de acesso ao sistema através do login e senha, sendo todo conteúdo de acesso de responsabilidade do usuário, através de cadastro.
  • Informativos espalhados pela U.I. sobre os Direitos Autorais e  Propriedade Intelectual, mesmo quando for escanear algum material já aparece o informativo nas páginas.

 

Avaliação dos Software Biblivre e PHL

Cin5018

Foto: Divulgação edf communications

BIBLIVRE

biblivrecin5018

 

Entrar no sistema como Administrador

Navegar pelos menus e fazer uma exploração do software, procurando conhecer as funcionalidades essenciais do software.

1. Cadastrar três usuários

Tres usuarios biblivre

 

2. Cadastrar uma obra do tipo LIVRO

cadastro de obra biblivre

 

  3. Cadastrar um fornecedor

fornecedor biblivre

 

4. Efetuar uma pesquisa Fazer um empréstimo a um dos usuários cadastrados

emprestimo amanda biblivre

 

5. Gerar carteirinha em pdf para um dos usuários

impressão de carteirinhas biblivre

 

6.  Fazer uma requisição e uma cotação com o fornecedor.

requisição biblivre

cotação biblivre

 

7. Definir o prazo máximo para a devolução de uma obra e o valor da multa a ser pago em caso de descumprimento

multa

 

8.  Emprestar um livro a um dos usuários e fazer duas reservas da mesma obra em nome dos outros dois.

emprestimo amanda biblivre

reserva biblivre

Relato sobre a utilização do Biblivre

O sistema Biblivre, é uma plataforma de fácil acesso, intuitivo, interface confortável, tem um ícone de horário atualizado, tem em quatro idiomas. Na elaboração da tarefa solicitada dificilmente tive o apoio do manual de consultas, se não encontrava alguma informação no manual logo recorria ao FAQ, em caso de erros na parte superior já apresentava o motivo e sugeria mudanças, na tela principal de entrada já apresenta as informações básicas para navegação e cadastros. Possui relatório de rotina.

 

 

PHL

capa

Utilize livremente o PHL, procurando conhecer as funcionalidades essenciais do software

  • Cadastro

Obra

cadastro de obra phl

 

Leitor

EXTRATO DE USUARIO

 

Fornecedor

fornecedor phl

 

Reserva

 

reserva

 

Empréstimo

 

emprestimo phl

 

Renovação

renovação phl

renovação karinaphl

 

Devolução

devolucao

 

Exportação

exporta

 

Importação

importação phl

Relato sobre a utilização do PHL

O PHL é uma plataforma com interface simples. Apesar de não ter utilizado o manual para a maioria das atividades, não considero tão intuitiva, a página principal de entrada também apresenta informações básicas para navegação e cadastro, em algumas telas o espaço é aproveitado, possui cinco idiomas, na hora de cadastrar se faltar alguma informação ou houver erro, logo apresenta o motivo e o exemplo. Possui o relatório de rotina.

 

Funcionalidades essenciais do software Biblivre

DiagramaDeAtividadeDoc1

diagramadeatividade

 

Referência

ALMEIDA, Diego Perez; MONDE, Isabela Guimarães del; (COORD.), Patricia Peck Pinheiro. Guia Prático do Manual de Propriedade Intelectual da Unesp. 2013. Disponível em: <http://www.ibilce.unesp.br/Home/Administracao456/apoioapesquisa/guia-pratico-do-manual-de-propriedade-intelectual.pdf&gt;. Acesso em: 27 maio 2016.

CARDOSO, Fernando Henrique. Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9609.htm&gt;. Acesso em: 27 maio 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogy of the oppressed. Disponível em: <http://acervo.bn.br/sophia_web/&gt;. Acesso em: 27 maio 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogy of the oppressed. Disponível em: <https://catalog.loc.gov/vwebv/staffView?searchId=8006&recPointer=2&recCount=25&bibId=11968142&gt;. Acesso em: 27 maio 2016.

GONÇALVES, Ada Cristina Vianna; MAGALHÃES, Fernanda Vanessa Mascarenhas; ROLLER, Iovanna Pinheiro Gico. A Gestão da Propriedade Intelectual nas Instituições de Fomento à Ciência, Tecnologia e Inovação. 2013. Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0228/228203.pdf&gt;. Acesso em: 27 maio 2016.

LTDA, Engenho Editora TÉcnica. A Siemens Oferece 30 Dias de Avaliação Gratuita dos Softwares de Manufatura Digital Tecnomatix: Plant Simulation e RobotExpert. Disponível em: <http://www.brasilengenharia.com/portal/noticias/destaque/4244-a-siemens-oferece-30-dias-de-avaliacao-gratuita-dos-softwares-de-manufatura-digital-tecnomatix-plant-simulation-e-robotexpert&gt;. Acesso em: 27 jun. 2016.

SILVA, Luiz InÁcio Lula da. Lei n º 10.973, de 2 de dezembro de 2004. 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm&gt;. Acesso em: 27 nov. 2016.

 

Grupo 5 – Rocelle

Post referente às atividades do dia 18 de Maio de 2016

imagem1

 

Software / Aplicações

Empréstimo

  • Pesquisar livro no acervo
  • Solicitar pedido ao bibliotecário
  • Verificar disponibilidade da solicitação
  • Verificar existência de cadastro no sistema
  • Averiguar situação de empréstimos
  • Investigar se tem atraso
  • Inserir senha no sistema
  • Inserir dados do livro no cadastro do usuário
  • Desmagnetizar o livro
  • Levar

Hardware / Equipamentos

imagem2

Scanner

  • Procurar um sistema operacional
  • Utilizar computador para pesquisa
  • Inserir os dados através do teclado
  • Visualizar informação pelo monitor
  • Anotar o número de chamada
  • Verificar disponibilidade do livro
  • Procurar o livro na estante
  • Pegar e pesquisar
  • Escânear
  • Salvar no pendrive.

Dados / Armazenamento

Catalogação

  • Entrar com a senha no sistema.
  • Acessar o módulo Catalogação/Cadastro de planilha.
  • Clicar em Informações Iniciais selecionar o tipo de obra, no caso livro, e fazer a classificação da obra;
  • Preencher o Campo 8 com ano, ilustração, local de publicação e língua da obra.
  • Gravar sempre a cada inserção!
  • Preencher os campos: 20 (ISBN), 82 (CDD), 90 (CDD, Cutter, edição), 100 (autor principal, se tiver), 240 (Título uniforme / Título original, se tiver), 245 (Título principal), subtítulo se houver e a responsabilidade na ordem direta, 250 (edição, se tiver), 260 (lugar de edição, editora e ano), 300 (num de página, ilustração), 490 (série, se tiver), 500 (campo de notas, se tiver), 650 (assunto), 700 (secundárias, se tiver).
  • Inserir exemplar e atualizar o acervo para que fique disponível na consulta on line.
  • Entrar na obra desejada, por pesquisa ou pelo código do Acervo, ir a Exemplar e proceder a edição.
  • Inserir exemplar
  • Atualizar o acervo para que fique disponível na consulta on line.

 

Recursos Humanos / Atores

Atendimento a usuário novo

  • Solicitar auxílio ao bibliotecário para encontrar informação.
  • Explicar ao usuário como funciona o terminal de consulta.
  • Ajudar o usuário a inserir informações no terminal
  • Anotar número de chamada
  • Andar com o usuário ate a prateleira
  • Explicar como funciona o numero de classificação
  • Encontrar o livro junto com o usuário
  • Cadastrar o usuário no sistema
  • Fazer o empréstimo ao usuário
  • Passar as ultima informações ao usuário ao entregar o livro.

 

Atendimento / Interface com o Usuário

Empréstimo terminal

  • Encontrar o livro no terminal de consulta e anotar o numero de classificação
  • Pegar o livro na estante
  • Encontrar um terminal de auto – atendimento touch – screen
  • Clicar no botão opção de empréstimo
  • Digitar a matricula e a senha
  • Posicionar o livro na máquina com o código de barras virado para o leitor.
  • Passar o livro em cima do leitor para desmagnetizar
  • Clicar ok
  • Apertar na opção finalizar
  • Ler a mensagem que informara o empréstimo realizado com sucesso.

 

Acessibilidade

imagem2

Cadeirante

  • Ir à biblioteca
  • Procurar elevador
  • Apertar o botão
  • Aguardar descer
  • Entrar no elevador
  • Escolher o andar
  • Apertar para subir
  • Aguardar o elevador subir
  • Acompanhar no visor o andar
  • Sair do elevador no andar escolhido

 

DiagramadeAtividade

Sem título

 

Referência

SANTOS, Ana Paula Lima dos; ALVARENGA, Gilda Sousa de. Manual de catalogação no sistema gerenciador pergamum.2013. Disponível em: <http://www.ndc.uff.br/sites/default/files/arquivos/Manual_de_Catalogaoatual3_0.pdf&gt;. Acesso em: 23 maio 2016.

Grupo 5 – Rocelle

Planejamento do teste de usabilidade

Propósito

Verificar se o software atende as necessidades e expectativas das bibliotecas diante de seus usuários, bibliotecários e outras U.I.

Equipe envolvida

Assistente de Estatística, Bibliotecário Gestor, Profissional de TI.

Ambiente de teste

O ambiente de teste possivelmente desenvolvido em um laboratório de Informática ou em uma sala com um desktop com câmera e câmeras no teto, software gratuito para monitoramento de imagem, áudio e faz analise final.

Participantes

Bibliotecário auxiliar que já atue na biblioteca, Outra UI que troca informação pelo software com a biblioteca e dois usuários distintos, ou seja, que tenha utilizado alguma vez o software e outro que não utilizou ainda.

Critérios e métricas de usabilidade

tabela usabilidade

 Funcionalidades escolhidas

  • Emprestar Itens

Para emprestar itens é necessário fazer um cadastro no sistema que assim as abas de empréstimo estarão acessíveis. Para que ele seja realizado, selecione o menu Circulação, a opção Cadastro de usuários. Selecione o menu circulação, opção Empréstimos e devoluções. Na parte pesquisar leitor insere o nome do leitor que vai levar o livro e a matricula e depois na parte pesquisar exemplar escolhe a obra agora pressione o botão emprestar.

  • Cadastrar Obra no Acervo

Para cadastrar uma nova requisição, selecione a opção Novos registros referentes à requisição, diferentes daquela dos fornecedores.  Após editar/ preencher o formulário, selecione a opção Salvar para armazenar o registro. Se você optar por Cancelar, as informações serão perdidas.

  • Catalogar Obra

No menu Catalogação, selecionar a opção Bibliográfica. Selecionar o botão Novo Registro e abrimos a tela de cadastro, desse modo o participante devera completar o restante dessa etapa.

 

  • Compartilhar Registros da Base de Dados com outra U.I.

Acessar catálogos de outras bibliotecas, como o participante já trabalha no local esse terá que acessar e compartilhar com outra U.I. seus dados, em um prazo estimado de 20 minutos

  • Gerar Carteirinha Usuários

Após encontrar o(s) leitor (es), use o botão Selecionar usuário para adicioná-lo(s) à lista de impressão de carteirinhas.

  •  As etapas detalhadas do teste

Primeiro será feito um pré-teste e um Checklist, para evitar imprevistos.

O teste terá três etapas

Primeira etapa:

Envio de questionários a 10 pessoas, selecionando duas com características distintas de acordo com os requisitos para participação no teste. Depois de selecionado serão enviados convites por e-mail incentivando a participação de ambos e já deixando claro o objetivo da aplicação do teste.

Segunda etapa:

A aplicação do teste terá o auxilio de um software de monitoramento, para analise de como os usuários se portam diante do software. O teste será aplicado individualmente e o usuário ficara sozinho na sala, sendo observado por uma câmara de dentro da sala.

Terceira etapa:

Entrevista com o facilitador e o observador sobre a experiência com o software, onde o facilitador vai conversar com o entrevistado e o observador fazer as analises, anotações e observações estando todos em uma mesma sala todos dentro da sala.

Por ultimo os usuários que participaram poderão fazer impressões e cópias de qualquer material que necessitem no período de uma semana, como crédito pela sua participação. participação.

Grupo 5 – Rocelle

Atividade referente ao dia 4 de maio 2ª etapa

qualidade

MODELAGEM DE SISTEMAS E SUBSISTEMAS

 

ATIVIDADE 1

Escolha um dos setores abaixo, considerando que os mesmos fazem parte de uma Unidade de Informação:

  1. Setor de Reservas de Auditórios e Laboratórios
  2. Setor de Limpeza do Espaço Físico
  3. Setor de Gestão de TI
  4. Setor de Aquisição
  5. Setor de Avaliação Interna da Qualidade (Setor Escolhido)

Atores

  • Bibliotecário
  • Usuário
  • Gestor
  • Técnico de Informática
  • Assistente de Estatística

10 funcionalidades essenciais

  1. Executar teste de usabilidade;
  2. Aplicando questionários;
  3. Avaliando feedback de acordo com o questionário aplicado;
  4. Fazer levantamento de questões emergenciais através do feedback;
  5. Fazer planejamento estratégico envolvendo toda equipe;
  6. Pesquisar ferramentas para aplicação da qualidade;
  7. Selecionar ferramentas de acordo com a necessidade e estrutura da U.I.;
  8. Treinar a equipe envolvida no planejamento;
  9. Implantar a ferramenta selecionada;
  10. Fazer o controle desse processo, avaliando sempre o sistema.

 

O cenário escolhido (setor + atores + funcionalidades)

 

O setor de avaliação interna de qualidade de uma U.I., conta com apoio de Bibliotecário, Usuário, Gestor, Técnico de Informática, Assistente de Estatística entre outros profissionais de apoio que auxiliarão no processo do serviço para avaliar a qualidade de um determinado software livre implantado na instituição com a finalidade de gerir o acervo, diminuir os gastos financeiros e o tempo de processamento do serviço, melhorando e aumentando o acesso à informação. O gestor é o principal responsável na execução e desempenho da equipe, em todo processo de avaliação das funcionalidades do software; o bibliotecário ficará responsável pelo processamento técnico do acervo; o técnico de informática pelo funcionamento do software e todo sistema tecnológico; o assistente de estatística será responsável pela confecção, envio e analise do questionário de feedback; sendo que toda equipe estará envolvida no processo de planejamento, implantação e controle do sistema, a fim de que as duas extremidades se comuniquem bem, fazendo com que o sistemas tenha ótima fluidez.

Represente o cenário escolhido sob a forma de sistema e de subsistemas

modelagem

 

 

DIAGRAMA DE CASO E USO

diagram uml

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIA

SEBRAE. Como elaborar um plano de negócios. 2013. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal Sebrae/Anexos/COMO ELABORAR UM PLANO_baixa.pdf>. Acesso em: 01 maio 2016.

 

Grupo 5 – Rocelle

Este Post é Referente  a 2ª Etapa

1 Atividade do dia 27 de abril de 2016

 

biblioteca online

 

Exemplificar no mínimo 5 situações de aplicação de usabilidade (dizer como seria feito) para cada uma das dimensões abaixo, num contexto de uma U.I.:

biblivre

Fonte: Site Biblivre

 

  1. Recursos de Software / Aplicações

Facilidades

  • Pode ser baixado por qualquer pessoa sem custo
  • Instalado no computador o usuário tem a total liberdade de executar o programa e de adaptá-lo às necessidades locais da unidade de informação, já que o seu código-fonte é acessível para atualização e aperfeiçoamento do sistema.
  • O BIBLIVRE necessita de um sistema operacional Windows, Linux, Unix ou compatível. Sendo o Windows XP, Vista, Seven ou Superior.

Dificuldades

  • O BIBLIVRE funciona simultaneamente com outros programas. Todavia, se muitos programas estiverem abertos ao mesmo tempo pode ocorrer lentidão de processamento.
  • Não é possível instalar o BibLivre no Windows ME, 98SE, 98 ou anteriores, pois são incompatíveis.

 

  1. Recursos de Hardware / Equipamentos.

Facilidades

  • Leitura feita por um computador através da internet.
  • Os requisitos mínimos de hardware para obter um desempenho razoável são: Processador Intel Pentium IV 1.4MHz ou equivalente;
  • Memória RAM de 1 Gbytes.
  • Acesso pelo desktop.

Dificuldade

  • É preciso instalar uma “base Biblivre” para cada biblioteca instalada no servidor,
  • O que pode, dependendo do número de bibliotecas e do hardware utilizado, causar possíveis sobrecargas ao mesmo.

 

  1. Recursos de Dados / Armazenamento

Facilidades

  • O Biblivre 3 e 4, guarda tudo na base de dados Postgresql, que fica no computador, portanto, o backup que ele oferece, deve ser guardado em pendrive ou no e-mail.
  • A requisição de uma obra é feita a partir da guia Requisição, selecionando o botão novo e preenchendo o formulário.
  • Para recuperar uma requisição, pode ser feita uma busca pelo número da requisição, por requerente, data da requisição, autor da obra, título, ou por requisições pendentes, atendidas ou ainda ambas e ela pode ser excluída, alterada ou apenas visualizada.

Dificuldade

  • Aqui há outro inconveniente, os registros são armazenados em formato marc em uma única coluna por registro, e não em colunas como em um banco de dados relacional comum.
  • Isto dificulta muito as consultas, pois todas as informações ficam no mesmo campo, com diversos caracteres que não são interpretados por qualquer linguagem e por isto necessitam de decodificação para separar os dados.

biblivreIII

 

  1. Recursos Humanos / Atores

Facilidade

  • É recomendado que tivesse um profissional experiente, para utilização do Biblivre e que os profissionais sejam capacitados para a utilização do mesmo.
  • Podemos criar classes de usuários no Biblivre, ou seja, aquele que irá frequentar a nossa biblioteca ou fazer parte dela (por exemplo, um funcionário).
  • É necessário fazer um cadastro para utilizar o software.link de ajuda
  • O Operador será um usuário especial, com o qual você poderá fazer diversas operações importantes. Ele não será o administrador, mas terá possibilidade de realizar muitas operações significativas. Observe que aparecem dois botões: Editar e Excluir. Se você pressionar Excluir, excluirá o usuário. Se você pressionar Editar, surgirá o quadro abaixo para você realizar edições:

 

Modo de Edição do Usuário

mododeedição

 

Dificuldades

  • Os pontos negativos evidenciados dizem respeito aos requisitos técnicos e operacionais não sugeridos via manual ou site
  • E o desconhecimento por parte dos profissionais quando se deseja disponibilizar a base de dados online.

 

  1. Recursos de Atendimento / Interface com o Usuário (Biblivre)

Facilidades

  • Sistema não é muito complexo e faz com que qualquer pessoa possa compartilhar seus próprios textos, músicas, imagens e filmes.
  • Interface simples: diferentes materiais podem ser catalogados nas bases bibliográficas (livro, panfleto, tese, periódico, artigo de periódico, manuscrito, iconográfico, cartográfico, audiovisual, música (som), partitura, legível por computador, objeto 3D);
  • Possibilita ler e imprimir obras que estão em domínio público;
  • A interface de usuário do sistema PMB (OPAC) atrelado ao protocolo Z39.50, possibilita a fácil navegação na busca do item do qual o usuário necessita.

Dificuldades

  • Reclamação de um cliente usuário: Foi criado um registro e gerado um novo exemplar usando o botão de mesmo nome na aba Registro, no entanto, a quantidade de registro se manteve em 109, não sendo ampliada para 110. Dessa vez não foi usada a caixa de diálogo “Exemplares Automáticos”.

 

  1. Recursos de Acessibilidade
  • O usuário tem a total liberdade de executar o programa e de adaptá-lo às necessidades locais da unidade de informação, já que o seu código-fonte é acessível para atualização e aperfeiçoamento do sistema.
  • Então de forma a resolver essa situação, na página oficial do Biblivre na internet tem o fórum que é direcionado aos usuários para oferecer sugestões na melhoria do software, assim como para contatar a equipe desenvolvedora sobre os problemas apresentados na sua instalação, dentre outros, que envolvem questões de acessibilidade, considerados de maior complexidade para o usuário.
  • Fácil acessibilidade e entendimento, além de fornecer ajuda ao catalogador, permite criar categorias e subcategorias, mantendo sempre um bom nível de informação sobre o item (validado sempre de acordo com as necessidades e os parâmetros definidos na política de catalogação), além de facilitar a identificação física dos itens.
  • A característica principal de um software livre, a acessibilidade do seu código-fonte, permitindo assim sua personalização.

 

 

Referência:

ALAUZO, Jorge Luiz Cativo; SILVA, Danielle Lima; FERNANDES, Tatiana Brandão. Funcionalidades de um software livre de automação de bibliotecas: uma avaliação do Biblivre. 2014. Disponível em: <http://racin.arquivologiauepb.com.br/edicoes/v2_n2/racin_v2_n2_artigo02.pdf&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

BIBLIVRE. CIDbiblivre Atividade acadêmica: Atividade acadêmica. 2014. Disponível em: <https://cidbiblivre.wordpress.com/page/2/&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

BIBLIVRE, Explora. Explora Biblivre. 2015. Disponível em: <http://explorablivre.blogspot.com.br/2015_05_01_archive.html&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

BIBLIVRE. Pré-requisitos. 2014. Disponível em: <http://biblivre.org.br/index.php/sobre-biblivre/o-programa/pre-requisitos&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

BIBLIVRE. Relatórios e Exemplares. 2014. Disponível em: <http://www.biblivre.org.br/forum/viewtopic.php?f=9&t=2473&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

(SABIN), Sociedade dos Amigos da Biblioteca Nacional. Biblivre um novo conceito eManualm automação de bibliotecas: biblivre versão 4.0. Disponível em: <ile:///C:/Users/REGUINALDT/Desktop/Manual_Biblivre_4.1.0 (1).pdf>. Acesso em: 24 abr. 2016.

SANTOS, Monique Araujo dos. O Processo de automação da Biblioteca do Laboratório de Hidrogênio através da seleção do software Biblivre 3.0. 2014. Disponível em: <http://www.biblivre.org.br/download/TCC-O_PROCESSO_DE_AUTOMAÇÃO_DA_BIBLIOTECA.pdf&gt;. Acesso em: 24 abr. 2016.

 

Grupo 5 – Rocelle – Líder da 1ª Etapa

Relatório do líder – Referente a  1ª etapa do projeto de informatização das Unidades de Informação do grupo 5

Figura 1 – Trabalho em equipe

eguipe trabalho

Fonte: Basto, Charles, http://www.ticsnamatematica.com (2011)

 

Relatório das atividades desenvolvidas pelo grupo de trabalho da disciplina de Informatização em U.I. grupo de número 5, integrado por Alan, Jonara, Maria Esilda, Maristela e Rocelle. A relatoria do trabalho foi de responsabilidade da integrante Rocelle, sendo representante dessa primeira etapa.

Com base nos três trabalhos realizados nessa primeira etapa, serão apresentados:

  • os principais desafios enfrentados durante a execução do mesmo,
  • aquisição de conhecimento,
  • o que agregou ao grupo, 
  • melhoria a ser feita no grupo.

Nas três atividades discutidas em grupo acredita-se que o termo Sistemas de Informação foi o que mais trouxe certo desalinho ao grupo, que compreendia do que se tratavam Sistemas de Informação, porém, não conseguia visualizar o Sistema Informacional Computadorizado e o Sistema de uma organização que abrange pessoas. Com isso ficava trabalhoso relaciona-las e identificar seus elementos. Mesmo com esses contratempos o grupo percebeu a oportunidade em sala de aula, para se reunir e discutir sobre as atividades e dificuldades enfrentadas por todo, agregando conhecimento. Contatos também foram estabelecidos fora da sala por meio das redes sociais, por onde trocávamos informações e até mesmo o que tinha sido anotado pelo grupo em sala.

O que agregara ainda mais conhecimento ao grupo de forma clara e não como maior aprendizado, pois estamos em desenvolvimento ainda. Aprendemos com tudo isso a olhar as coisas ao em torno, como um sistema e seu conjunto de elementos de forma interativa entre si. 

As atividades foram desenvolvidas por todos em grupo e de forma individual como solicitado. Os trabalhos desenvolvidos por todos, os itens eram separados para que cada integrante respondesse uma questão, logo o grupo se reunia e discutia sobre a atividade que cada um foi responsável, e no caso de sobrar atividades todos colaboravam na resolução dessas. Quanto as duvidas e sugestões eram esclarecidas em sala pelo professor e colegas, as sugestões foram bem equilibradas pela equipe, no qual, cada um sugeria algo em certos momentos fazendo com que todos participassem.

Em questão do que melhorar, como foi citado, estamos em processo de aprendizagem para responder algo mais concreto. Mas acredito que o contato devido às atribulações do dia-a-dia, poderia ser um ponto a melhorar no grupo.

O trabalho em grupo foi a melhor forma de esclarecimentos de lacunas que tivemos e que seria mais difícil de esclarecer individualmente, sendo as mesmas dúvidas de todos. 

Figura 2 –  Importância do trabalho em equipe.

trabalho em equipe

Fonte: http://www.artedevender.com.br (2012)

Referência:

 BASTOS, Charles. O que é trabalho em equipe? 2011. Disponível em: <http://www.ticsnamatematica.com/2011/01/trabalho-equipe.html#author-info&gt;. Acesso em: 20 abr. 2016.

HUMANOS, Arte de Vender Talentos. A Importância do Trabalho em Equipe. Disponível em: <http://www.artedevender.com.br/2012/08/trabalho-em-equipe-maneira-mais-eficaz-para-atingir-resultados.html&gt;. Acesso em: 20 abr. 2016.