Grupo 3 -Etapa Final (Post Líder)

Lucas Inácio de Souza | 13 de Jul. 2016 | Grupo 3

Segue a apresentação da Etapa Final do Projeto de Informatização de Unidade de Informação.

corel-pdf-fusion-icon-logo
VISUALIZAR NO FORMATO PDF
prezi
VISUALIZAR NO FORMATO PREZI

 

 

Grupo 3 – Lucas

Etapa 4 – Atividade 3 | 15/06/2016 | Lucas Inácio de Souza


Integração de Ferramentas Colaborativas

2

Uma forma de integrar ferramentas colaborativas em sistemas já existentes em unidades de informação, é incorporar ou complementar esse tipo de ferramenta no sistema informatizado que a instituição já utiliza, não causando o impacto negativo que uma instalação de um sistema “à partir do zero” poderia provocar (substituição do software, importação/exportação dos dados, rejeição do usuário com o que é novo e período de adaptação).

Um exemplo poderia ser a aglutinação de links na forma de ícones (que já são convencionais em todo o mundo), logo abaixo da página de pesquisa no Acervo no Sistema Pergamum de uma biblioteca (Imagem 1). Os mesmos direcionariam o usuário para diversas redes sociais da Biblioteca, como Facebook (página institucional da Biblioteca), Twitter (posts de novas aquisições e ações/eventos da Biblioteca), YouTube (vídeos institucionais e tutoriais de como operar uma pesquisa de forma mais eficiente), dentre outras ferramentas que contam com a participação e colaboração do usuário.

Imagem 1: Tela de pesquisa do Sistema Pergamum, em destaque, ícones de links de Redes Sociais da Unidade de Informação.Pergamum Ferramentas IIFonte: composição da imagem feita pelo autor.

Claro que para isso a Biblioteca teria que dispor de um grande valor monetário, afinal seria necessário modificar o Software Pergamum desde a sua programação, até a interface com o usuário, o que provavelmente não sairia barato. Porém o retorno e custo/benefício poderia ser conveniente.


Serviços Inovadores

Com a primeira etapa de incorporação dessas ferramentas no Pergamum concluída, é possível que a Unidade de Informação forneça serviços inovadores para seus usuários. Dentro dessas ferramentas colaborativas, existem inúmeras alternativas e possibilidades de interação do usuário/instituição.

 Exemplo de serviço inovador utilizando o Twitter como ferramenta

Em uma unidade de informação, ao se adquirir novos livros, é realizado a postagem individual dos títulos mais importantes, informando a nova aquisição, e disponibilizando um QR-CODE para que o usuário copie informações e o número de chamada do livro em seu celular, sem a necessidade de copiar os dados em papel.

Acompanhe no Infográfico abaixo.


Infográfico Lucas

Fonte: imagens retiradas de sites gratuitos. Composição do autor.


Na própria postagem, pode haver também a foto da Capa do livro, tornando mais atrativa e visual a postagem. Ainda existe a opção de “Retuitar” a postagem, “Favoritar”, entre outras ferramentas.

Grupo 3 – Lucas

Etapa 4 – Atividade 2 | 08/06/2016 | Lucas Inácio de Souza


Segurança da Informação

Seguranca_internet
Disponível em: http://www.gettel.com.br/g/images/Seguranca_internet.PNG

É necessário que a U.I. desenvolva manuais e/ou Políticas de Segurança de Informações e disponibilize-os através de seu portal na Internet, ou que os mantenham em lugar visível (impresso) na própria U.I.

Campanhas institucionais com criação de folders explicativos e até páginas que abordem o assunto da Segurança na Internet podem e devem ser disponibilizadas aos usuários como forma de prevenir possíveis crimes cibernéticos, ataques de vírus, etc. É necessário garantir a segurança das informações durante o acesso à internet e enquanto o usuário utiliza as dependências e rede da U.I. Um material muito interessante, prático e visualmente agradável para esse propósito é a cartilha do CERT (Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil).

[…] é um documento com recomendações e dicas sobre como o usuário de Internet deve se comportar para aumentar a sua segurança e se proteger de possíveis ameaças. (Cert, 2015).

Para acessar a Cartilha, CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO.

logo_cartilha

Existem ainda ferramentas que inibem os ataques de terceiros, como é o caso do controle de acesso lógico, que nada mais é que a identificação e autenticação do usuário (confirmação de que o usuário realmente é quem ele diz ser) que é feita normalmente por meio de um identificador de usuário (ID) e por uma senha
durante o processo de logon no sistema. (Tribunal de Contas da União, 2007, p. 9).

Grande maioria das bibliotecas que dispõem de acervo on-line, intranet e internet e um software de gestão utiliza dessa ferramenta, tanto para acesso e controle de usuários externos quanto de usuários internos da instituição.

Pergamum_acesso
Print da tela de Login do Pergamum. Fonte: do autor.

Ainda segundo o Manual de “Boas práticas em segurança da Informação” (Tribunal de Contas da União, 2007, p. 12-13) é imprescindível que o usuário seja informado das peculiaridades com relação ao Login e senha, como:

  • manter a confidencialidade das senhas;
  • evitar registrar as senhas em papel;
  • selecionar senhas de boa qualidade.

icon_15483Biometria e Criptografia What_is_encryption

Após pesquisa sobre “Biometria e Criptografia” em sites de notícias e artigos, foi possível desenvolver o que seria um rascunho inicial  de uma Política para uma Unidade de Informação que contenha Controles Físicos e Controles Lógicos para proteger a Informação.

PROPOSTA DE POLÍTICA – Controles físicos e Controles lógicos

  • A  autenticação  para  utilização  dos  serviços  será  por  meio  de  digitais;
  • O  usuário  que  apresentar  qualquer  problema  na  leitura  da  digital  deverá,
    obrigatoriamente, apresentar documento de identificação.
  • Todas as informações dos usuários da U.I. são criptografadas, ou seja, na troca de informações com o servidor da Biblioteca, os dados são protegidos de ponta-a-ponta.

DO EMPRÉSTIMO, RENOVAÇÃO E DEVOLUÇÃO

  • O empréstimo domiciliar destina-se a professores, alunos e funcionários devidamente inscritos e deve ser realizado por meio de sistema biométrico.  Os usuários que não puderam efetivar o cadastramento da digital devem, obrigatoriamente, utilizar senha no momento do empréstimo.

(Baseados no REGULAMENTO e Guia do Usuário da Rede de Bibliotecas da Universidade de Passo Fundo, 2012.  Disponível em: <http://www.upf.br/biblio/index.php?option=com_content&view=article&id=9&Itemid=54&gt;. Acesso em: 14 jun. 2016)


REFERÊNCIAS

Brasil. Tribunal de Contas da União. Boas práticas em segurança da informação. 2. ed. Brasília : TCU, Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação, 2007.

Cert. Cartilha de Segurança para Internet. Disponível em: <http://cartilha.cert.br/&gt;. Acesso em: 12 jun. 2016.

Imagem Biometria. http://www3.ufrb.edu.br/reverso/wp-content/uploads/2014/02/icon_15483.png

Imagem Criptografia. http://www.ophtek.com/wp-content/uploads/2014/12/What_is_encryption.png

 

 

Grupo 3 – Lucas

Etapa 4 – Atividade 1  |  01/06/2016 | Lucas Inácio de Souza


Portal Web de U.I.

Portal Informativo para Biblioteca Jurídica

O portal da Biblioteca Jurídica foi projetado para aglomerar e distribuir conteúdo especializados na área do Direito, constituído de livros e periódicos jurídicos, obras de referência, jornais,  CD-ROMs, bases de dados nacionais e estrangeiras, publicações oficiais e outros materiais. Sua interface moderna, com layout simples facilita o acesso ao seu conteúdo. A identidade visual e portabilidade do Portal garante que o usuário o acesse de diversas plataformas.


Softwares Biblioteca


banner_logo

Um dos mais simples de se utilizar, porém com várias ferramentas. Design e interface moderno e atrativo. Atende às necessidades básicas de uma biblioteca. Um dos diferenciais é o suporte ao usuário.


snipBookDB

Disponível em diversas línguas, porém algumas partes do Software não estão em Português.Sistema demasiadamente simples de operar. Algumas operações são bastante complexas de fazer. Atende às necessidades muito básicas para gerenciamento de acervo.


biblioteca_grandeSoftware relativamente barato para adquirir a licença. Fácil de navegar, intuitivo, moderno e funcional. Abrange boa parte das necessidades de uma biblioteca, entre elas cadastro de livros, usuários, controle de empréstimos, reservas, etc.


iBooksNão tem identidade visual própria. Disponibilizado somente em língua inglesa. Interface simples, com aparência “velha” e com ícones do Windows95. Não apresenta importação/exportação em formato MARC.



Lista com 20 razões pela qual um cliente deveria adquirir

Minibiblio
fonte: do autor.
Biblioteca fácil
fonte: do autor.

Lista com 20 razões pela qual um cliente NÃO deveria adquirir

BookDB
fonte: do autor.
BiblioExpress
fonte: do autor.

Grupo 3 – Lucas

Etapa 3 – Atividade 3  |  25/05/2016 | Lucas Inácio de Souza


Direitos autorais e propriedade intelectual na WEB e Unidades de Informação

Ao se planejar uma U.I. é necessário levar em conta que existem leis que protegem a propriedade intelectual e também os Direitos Autorais de obras na Web. Os principais impactos disso no planejamento de uma U.I. referem-se à disseminação e garantia do acesso à informação, a determinação de políticas que resguardem o usuário, a biblioteca e o autor da obra disponível na Web. A biblioteca fica em um dilema: até que ponto a biblioteca libera o usuário para acessar, baixar, visualizar documentos e obras na Web na biblioteca sem ferir os Direitos Autorais e propriedade intelectual? É prioridade o acesso à informação, ou deve haver alguma restrição?

Políticas podem e devem ser criadas e adotadas para evitar violações graves nos direitos autorais, e devem ser expostas para que o usuário leia e tenha acesso. Isso pode ser feito logo na página inicial da biblioteca. Já que a prática de violar esses direitos infelizmente são comuns, orientar o usuário pode ser o primeiro passo para evitar novas infrações.

Um exemplo de acesso à conteúdo na Web é o que ocorre na Biblioteca do Tribunal de Justiça. Ao comprar livros da Editora Revista dos Tribunais (RT), os mesmos possuem nas primeiras páginas um código para acessar o mesmo conteúdo do livro impresso, em versão digital (E-book) conhecido como Proview.

O Proview é uma plataforma multifuncional que permite o acesso a todos os títulos adquiridos pela Biblioteca em formato eletrônico, que podem ser visualizados em dispositivos como tablet, computador portátil, desktop ou navegador de internet. (Site Revista dos Tribunais, 2016)

A biblioteca cadastra esse código, e disponibiliza para os usuários um login e senha para acessar a plataforma. É um serviço que não é amplamente divulgado e ainda engatinha e pode, de uma hora pra outra, ser interrompido se diagnosticado que houve qualquer tipo de violação por parte dos usuários.

Figura 1 – Site da Editora Revista dos Tribunais.Screenshot 2016-05-28 at 20.53.20Fonte: http://www.rt.com.br/proview/index.php



Instalação e avaliação dos Softwares Biblivre e PHL

Screenshot 2016-05-28 at 21.16.03

Avaliação pessoal: Screenshot 2016-05-29 at 16.33.55

Design e Layout moderno e funcional. Interface com o usuário muito agradável, com hierarquias bem definidas e convenções. A Navegabilidade pelo Software é simples e agradável. Todas as tarefas foram concluídas sem problemas. O cadastro (Usuário, obra e fornecedor) é muito prático. Outras tarefas e funcionalidades básicas e desejáveis correspondem muito bem às expectativas e necessidades de uma biblioteca.

Screenshot 2016-05-28 at 21.42.21

Avaliação pessoal: Screenshot 2016-05-29 at 17.30.38

Layout pouco atrativo, simples porém funcional. Problemas na importação de dados em formato MARC da Biblioteca Nacional. A Navegabilidade pelo Software é confusa. O Cadastro (Entrada) de Obra, Leitor e Fornecedor se dão selecionando a Base de Dados correspondente (Catálogo, Kardex, Usuários, Fornecedores, etc). Funcionalidades básicas atendidas, porém é necessário um pouco de desenvoltura do usuário para utilizar o Software.

 


Diagrama de Atividades

Atividade: Empréstimo de Livro no Sistema Biblivre

DIAGRAMA ATIVIDADES pngFonte: do autor.


Referências

Site Revista dos Tribunais. Thomsom Reuters Proview. 2016. Disponível em: <http://www.rt.com.br/proview/index.php?act=perguntas&gt;. Acesso em: 28 mai. 2016.

Grupo 3 – Lucas

Etapa 3 – Atividade 2  |  18/05/2016 | Lucas Inácio de Souza


Atividades e Subtarefas

Para cada uma das dimensões abaixo, identificar uma tarefa relacionada numa U.I. e dividi-la em, no mínimo, 10 subtarefas sequenciais.

  • Software / Aplicações

Tarefa: Catalogar novo livro

  1. Inserir login e senha no Pergamum;
  2. Clicar no botão “Catalogação”;
  3. Clicar na caixa de pesquisa;
  4. Pesquisar livro pelo ISBN;
  5. Clicar no botão “Planilha”;
  6. Fazer a leitura técnica do livro;
  7. Inserir Número de Classificação (CDD) no campo “Classificação”;
  8. Preencher planilha MARC com os dados do livro;
  9. Clicar no botão “Inserir”;
  10. Clicar no botão “Atualizar acervo”;
  11. Escrever com lápis na falsa folha de rosto, o Número de chamada do livro;

  • Hardware / Equipamentos

Tarefa: Emprestar livro do Acervo

  1. Inserir login e senha no Pergamum;
  2. Clicar no botão “Circulação de Materiais”;
  3. Clicar no botão “Empréstimo”;
  4. Solicitar ao usuário para inserir a Matrícula utilizando o teclado numérico individual;
  5. Fazer a leitura do código de barras com o leitor de código de barras;
  6. Clicar no botão “Emprestar”;
  7. Solicitar ao usuário para inserir a senha utilizando o teclado numérico individual;
  8. Verificar o aviso de empréstimo realizado com sucesso;
  9. Informar ao usuário que o recibo de empréstimo será enviado para o seu e-mail;
  10. Entregar o livro para o usuário;

  • Dados / Armazenamento

Tarefa: Pesquisar livro no acervo (Usuário)

  1. Acessar o Terminal de Consulta;
  2. Indicar no campo “Unidade de Informação” a Biblioteca selecionada;
  3. Selecionar o tipo de Obra a ser pesquisado (livros, artigos, folhetos, etc.);
  4. Selecionar a opção de Consulta (Palavra ou índice);
  5. Selecionar o tipo de busca (Autor, Título, tópico, etc);
  6. Inserir na caixa de Pesquisa o(s) termo(s) da pesquisa;
  7. Clicar no botão “Pesquisar”;
  8. Clicar no título do livro desejado;
  9. Clicar no botão “Exemplares”;
  10. Verificar a disponibilidade no Acervo;
  11. Anotar o Número de Chamada do livro.

  • Recursos Humanos / Atores

Tarefa: Cadastrar novo usuário

  1. Abrir sistema Pergamum;
  2. Inserir login e senha;
  3. Clicar no botão “Cadastro de Usuário”;
  4. Solicitar ao novo usuário, Cartão de identificação de funcionário com matrícula e documento de identidade com foto;
  5. Preencher todos os dados solicitados no formulário;
  6. Posicionar o usuário em frente à Câmera;
  7. Capturar imagem do rosto do Usuário;
  8. Clicar no campo senha;
  9. Solicitar ao usuário inserir uma senha (4 à 6 dígitos);
  10. Solicitar ao usuário repetir a senha;
  11. Clicar no botão “Inserir”;

  • Atendimento / Interface com o Usuário

Tarefa: Auxiliar usuário na pesquisa

  1. Mostrar disponibilidade no atendimento;
  2. Colher os dados iniciais da necessidade do usuário (assunto, título, autor, etc);
  3. Efetuar pesquisa no acervo;
  4. Mostrar ao usuário tanto a pesquisa como os resultados na tela do computador;
  5. Identificar pelo menos 2 ou 3 obras do mesmo autor, assunto, título, etc;
  6. Informar ao usuário a disponibilidade de obras respectivas à sua necessidade no acervo;
  7. Anotar os respectivos Números de Chamada;
  8. Questionar se o usuário sabe encontrar o livro nas estantes;
  9. Acompanhar o usuário até a estante;
  10. Indicar as obras;

  • Acessibilidade

Tarefa: Auxiliar usuário com deficiência visual

  1. Identificar o usuário com necessidades especiais assim que o mesmo entrar na Biblioteca;
  2. Solicitar que o usuário faça uso do Guarda-volumes (caso necessário);
  3. Informar que a Biblioteca dispõe de piso-tátil e mapa tátil disponível;
  4. Informar a localidade do Terminal de Consulta especial e o acervo em Braile (caso necessário);
  5. Informar que o usuário tem a autonomia ou pode contar com a ajuda de um Bibliotecário;
  6. Auxiliar na pesquisa no Acervo;
  7. Acompanhar usuário conforme a necessidade;
  8. Apanhar os livros na estante para o usuário;
  9. Acomodar o usuário em uma mesa;
  10. Efetuar o empréstimo do Acervo (caso necessário);

 


Diagrama de Atividades

Tarefa: Emprestar livro do Acervo

Modelagem AtividadesFonte: do autor.

LINK PARA ACESSAR A IMAGEM EM TAMANHO AUMENTADO

Grupo 3 – Lucas

Etapa 3 – Atividade 1  |  04/05/2016 | Lucas Inácio de Souza


Planejamento de Teste de Usabilidade

Cinco funcionalidades escolhidas

  • Adquirir Obra
  • Cadastrar Obra no Acervo
  • Catalogar Obra
  • Gerar Carteirinha de Usuário
  • Emprestar itens
  1. Pretende-se testar a funcionalidade do Sistema, a operacionalidade, a interação do usuário x Sistema, a eficiência e adequação.
  1. Equipe interna envolvida
  • Bibliotecário (usuário);
  • Avaliador;
  • Observador.
  1. Configuração do ambiente de teste
Desenho
Figura 1 – Configuração básica ambiente do teste. Fonte: do autor.
Desenho 2
Figura 2 – Configuração básica ambiente do teste em 3D. Fonte: do autor.

 

  1. Usuários selecionados
  • Bibliotecário Processamento técnico
  • Bibliotecário Setor de Referência

 

  1. Critérios e métricas de Usabilidade
Imagem 3
Figura 3 – Critérios e métricas de usabilidade adotadas. Fonte: do autor.
  1. Execução das funcionalidades

Todas as funcionalidades necessitam que o usuário inicie entrando no Sistema com Login e Senha pré-cadastrados e finalize saindo do sistema clicando no botão “Sair”.

PERGAMUM
Figura 4 – Tela principal do Sistema Pergamum. Fonte: do autor.
  • Adquirir Obra
    1. Clicar no botão “Novas aquisições”;
    2. Clicar na caixa das Obras escolhidas;
    3. Verificar os valores correspondentes;
    4. Clicar no botão “Solicitar”;
    5. Clicar “Sim” no envio do e-mail do Fornecedor;
    6. Verificar o alerta de que a tarefa foi executada com sucesso;
  • Cadastrar Obra no Acervo
    1. Clicar no botão “Cadastro”;
    2. Efetuar a pesquisa na caixa “Pesquisa”, alterando os filtros para encontrar pelo ISBN da obra;
    3. Digitar o ISBN e dar “Enter”;
    4. Clicar no botão “Planilha” para abrir o acervo;
    5. Preencher os campos exigidos;
    6. Clicar no botão “Inserir”;
    7. Verificar o alerta de que a tarefa foi executada com sucesso;
  • Catalogar Obra
    1. Clicar no botão “catalogação”;
    2. Inserir ISBN da Obra no espaço da “Pesquisa” e digitar “Enter”;
    3. Preencher os campos exigidos;
    4. Clicar no botão “Salvar”;
    5. Clicar no botão “Atualizar Acervo”;
    6. Verificar o alerta de que a tarefa foi executada com sucesso;
  • Gerar Carteirinha de Usuário
    1. Clicar no botão “Cadastro”;
    2. Preencher os campos exigidos;
    3. Clicar no botão “Salvar”;
    4. Clicar no botão “Imprimir cartão de usuário”;
    5. Clique imprimir;
  • Emprestar itens
    1. Clicar no botão “Circulação de Materiais”;
    2. Clicar no botão “Empréstimo”;
    3. Inserir a matrícula do Usuário;
    4. Com o uso do leitor de código de barras, fazer a leitura do item;
    5. Inserir senha do usuário;
    6. Ao abrir tela de impressão, imprimir o Comprovante de empréstimo;

 

  1. Etapas detalhadas do teste

Com a sala onde será realizado o teste de usabilidade preparada de acordo com o ITEM 3, e a equipe de Avaliador e Observador já posicionada nos lugares, é possível dar início às atividades.

Primeiro passo – Sentar o usuário selecionado (Processamento técnico ou Setor de referência) em frente ao computador;

Segundo passo – Entregar-lhe o material a ser trabalhado durante o teste (livros, passo-a-passo de acordo com o ITEM 6 e demais materiais de acordo com a funcionalidade à ser executada no sistema);

Terceiro passo – Dar início ao teste e disparar o cronômetro;

Quarto Passo – Acompanhar o teste e fazer as anotações de acordo com os critérios e métricas adotadas (ITEM 5);

Quinto passo – Encerrar o teste e parar o cronômetro;

Sexto passo – Agradecer a participação do usuário e dispensá-lo;

Sétimo passo – Avaliador e Observador podem interagir e trocar informações à respeito do teste e fazer as considerações finais em forma de um relatório;